Buscar

Pais e filhos, volta às aulas. 

Você sabia? O cérebro se adapta à mudanças e gera plasticidade ficando mais forte e mais ativo como um músculo que faz exercícios ? Quanto mais usamos, melhor ele fica! A neuroplasticidade, ou plasticidade neural, permite os neurônios se regenerar tanto anatomicamente quanto funcionalmente, e formar novas conexões sinápticas. A plasticidade cerebral, ou neuroplasticidade, é a habilidade do cérebro para se recuperar e se reestruturar. Quando vc não permite que a sua criança avance na vida social, escolar ou em atividades que exija um pouco mais de esforço, vc está segurando sem querer essa plasticidade cerebral, o que limitará ainda mais o conhecimento e desenvolvimento da criança. Tenho certeza que nós pais, pensamos no bem de nossos filhos e as vezes pensando em proteger entramos na super-proteção, essa atitude que aparentemente é inofensiva poderá acarretar muito mais dificuldades na criança com deficiência do que pensávamos a 20 e 30 anos atrás Hoje a neurociência comprova que a criança imita e imitando aprende, ela precisa estar em contato com crianças da mesma idade, que falam, que correm, que brincam, que lêem, que escrevem, para que elas possam imitar e sentir vontade de fazer igual, essas crianças sem deficiência é que darão um grande empurrão na pessoa com T21. Lembre- se, a criança com T21 estará com deficit nas matérias escolares, ( Português, matemática ) mas isso não é motivo para segurar seu aprendizado em outros conteúdos com crianças da sua idade. Essa convivência deve ser harmônica e mediada pela sociedade, principalmente terapeutas, médicos, pais e professores através de práticas de equidade e empatia. A nós pais, cabe o incentivo, a não infantilização, o conhecimento sobre a Síndrome e como podemos ajudar melhor em casa, e perceber que não devemos jamais subestimar essas conquistas. Eles podem mais do que expressam. Vamos deixar que eles voem mais alto? O medo dos pais gera primeiro muito mais medo na criança, pais corajosos formam adultos corajosos. Texto: Simone Galvão de França

22 visualizações0 comentário